Gestão Pública News

Copa 2014

Um ano depois, principal obra de mobilidade de MT não está pronta
07 de Junho de 2015 ás 21:26 -

Levantamento da "Folha de S. Paulo" revela que VLT de Cuiabá, além de atrasada, vai custar o dobro do previsto

Um ano depois, principal obra de mobilidade de MT não está pronta

DA REDAÇÃO - MIDIANEWS

 

O setor de transportes, que o Governo "vendeu" como o principal legado da Copa do Mundo de 2014, só tem 21,4% das obras concluídas. É o caso, por exemplo, do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), em Cuiabá, que, além de atrasado, vai custar muito mais do o previsto em 2010.

Reportagem especial da Folha de S. Paulo, publicada neste domingo (7), aponta que 35 obras de transporte coletivo e de aeroportos ainda não estão concluídas, um ano após a realização do Mundial de Futebol.

Segundo levantamento feto pelo jornal, os atrasos encarecerão as obras. O preço de projeto (que não considera a inflação) com que elas foram contratadas depois de 2010 já era, em média, 33% superior ao previsto no lançamento do pacote.

"Mas o valor vai subir mais. No caso de um VLT em Cuiabá, o projeto começou em R$ 700 milhões, passou na licitação para R$ 1,5 bilhão e deve alcançar os R$ 2,5 bilhões", diz a reportagem.

O jornal também cita outro legado da Copa, as arenas - como a Pantanal, na capital de Mato Grosso -, que caminham para se transformar em "elefantes brancos".

Quase um ano após o início da Copa, uma derrota diferente daquelas sofridas pelo Brasil em campo é visível nas 12 cidades-sede do evento: ao menos 35 obras de transporte coletivo e de aeroportos ainda não estão concluídas.

Orçadas em R$ 11 bilhões quando lançadas, em 2010, elas estão atrasadas, paradas ou nem foram iniciadas. Em alguns casos, investigações estão sendo feitas por suspeita de corrupção. Legado da Copa

E não são só problemas com estádios, que além de tudo caminham em parte para virar "elefantes brancos", como em Brasília e em Cuiabá.

O setor de transporte urbano, vendido pelo governo como o principal legado do torneio, só tem 21,4% das obras de grande porte previstas em 2010 concluídas, segundo levantamento da Folha e checado in loco em Fortaleza (CE) e em Cuiabá (MT), onde estão as obras com mais problemas.

Essas obras foram definidas para a instalação de três tipos de meios de transporte: BRTs (ônibus especiais em corredores), VLTs (trens leves sobre trilhos) e monotrilhos.

O pacote inicial, de 2010, previa 48 obras de mobilidade urbana e 25 em aeroportos. A composição foi alterada. Em 2013, na última lista oficial, havia 51 projetos de mobilidade e 23 em aeroportos.

Os atrasos encarecerão as obras. O preço de projeto (que não considera a inflação) com que elas foram contratadas depois de 2010 já era, em média, 33% superior ao previsto no lançamento do pacote.

Mas o valor vai subir mais. No caso de um VLT em Cuiabá, o projeto começou em R$ 700 milhões, passou na licitação para R$ 1,5 bilhão e deve alcançar os R$ 2,5 bilhões.

Quarenta trens foram encomendados e pagos, ao custo de R$ 500 milhões. Como não há trecho pronto do VLT de mais de 22 km, os veículos estão parados num pátio.

Quase 90% do financiamento de R$ 1,1 bilhão já foi liberado. Uma CPI foi aberta para descobrir para onde foi o dinheiro, já que a obra tem menos de 50% de avanço.

O monotrilho da Linha 17-Ouro, em São Paulo, quando lançado para a Copa, custaria R$ 2,9 bilhões. O valor está em R$ 4,7 bilhões, e a conclusão, prevista para março de 2013, pulou para 2017.

Dificuldades com desapropriações, alta de custos, projetos mal concebidos e falta de recursos são motivos apontados pelos especialistas para o fracasso da empreitada.

Aeroportos

No caso dos aeroportos, a estatal Infraero não conseguiu entregar 12 obras previstas para a Copa.

O concessionário do aeroporto de Campinas também não concluiu a ampliação do novo terminal.

Doze projetos ficaram prontos –os maiores ficaram sob a responsabilidade de concessionários que assumiram os aeroportos em 2012.

O aeroporto de Fortaleza tinha previsão de um novo terminal, para junho de 2013. A obra começou e foi abandonada com 16% realizados.

Nos estádios, a vocação para "elefante branco" não é mais o único problema. Os custos a mais pelos erros e atrasos começam a aparecer.

A Arena Pernambuco foi estimada em R$ 532 milhões. A Odebrecht Properties, que a administra, diz que teve prejuízos por mudanças no cronograma e quer R$ 257 milhões a mais. O Estado não aceitou pagar, e o caso foi parar na Justiça.

Nenhum Comentário

Últimas notícias

  1. Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    Justiça

    (06:48) Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    O Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou no mês de dezembro pedido de liminar da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros, entidade conhecida como Fetramar, que buscava declarar inconstitucional lei de Cuiabá...

  2. Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    Economia

    (06:25) Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Fazenda (Sefaz), transferiu de janeiro a novembro de 2017 o valor de R$ 2,36 bilhões às prefeituras.

  3. Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Política

    (00:00) Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Em mais um episódio da briga entre os antigos membros do PSB e o novo presidente da legenda, deputado federal Valtenir Pereira, o gestor divulgou neste domingo dados de irregularidades da antiga administração do partido.

  4. Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    Política

    (00:00) Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    No entanto, ainda faltarão cerca de R$ 75 milhões para sanar o passivo referente a 2017

Copyright @ Gestão Pública News - 2009 - Todos Direitos Reservados