Gestão Pública News

Nacional

Senador de MT vira vice-líder do governo Dilma
17 de Setembro de 2015 ás 10:17 -

O senador Wellington Fagundes (PR/MT) se tornou vice-líder do governo da presidente Dilma Rousseff e participou da primeira reunião juntamente com o senador Delcidio Amaral (PT/MS).

Senador de MT vira vice-líder do governo Dilma

MARCOS LEMOS Diário de Cuiabá O senador Wellington Fagundes (PR/MT) se tornou vice-líder do governo da presidente Dilma Rousseff e participou da primeira reunião juntamente com o senador Delcidio Amaral (PT/MS). “Não é uma questão de defender o governo da presidente Dilma e sim, defender o Brasil e construirmos a solução para que o Brasil saia da crise e não imponha mais dificuldades para a sociedade como um todo”, disse Wellington Fagundes sinalizando que todos os senadores de Mato Grosso, Blairo Maggi, líder do PR e José Medeiros, líder do PPS coadunam com a postura de encontrarmos soluções para os problemas do Brasil independente de quem seja presidente da República.

Além de Wellington Fagundes, foram escolhidos como vice-líderes do governo, Paulo Rocha (PT/PA), Hélio José (PSD/DF) e Telmário Mota (PDT/RR), sendo que todos eles já estiveram reunidos com a presidente Dilma Rousseff e começam hoje a se reunir com ministros de Estado para adotarem uma postura mais proativa em defesa das propostas da Agenda Brasil. “É preciso compreensão do Brasil que queremos e do que podemos fazer para ajudar a Nação e a sociedade a sair da crise econômica que está sendo potencializada pela crise política”, disse Wellington Fagundes que hoje pela manhã estará discutindo com os ministros Joaquim Levy (Fazenda) e Mauro Barbosa (Planejamento) as propostas para ajustar a economia e devolver o Brasil aos trilhos do desenvolvimento.

O senador por Mato Grosso, que tem seis mandatos de deputado federal, a busca pela interlocução com deputados federais e senadores será no sentido de encontrar soluções para que o País passe pela crise como um mínimo de dificuldades para com a população. “Acredito e sou convicto de que se dermos um voto de confiança à equipe econômica da presidente Dilma Rousseff, antes do final de 2016 o Brasil estará recuperado e dando demonstrações de vitalidade econômica e financeira, que é que interessa para o país e para a população. A crise não é boa para ninguém, ainda mais depois de muitos anos de crescimento vertiginoso”, lembrou o senador por Mato Grosso.

Wellington Fagundes sinalizou ainda que irá aproveitar o encontro com os ministros para tratar de Mato Grosso. “Diante do quadro de dificuldades, se faz necessário definir uma agenda. O compromisso do ministro Levy de pagar o FEX e a liberação de um pedido de R$ 720 milhões para dois programas, o Pró-Concreto de pontes e o Pró-Restauro para restauração de rodovias”, disse Wellington Fagundes. 

Nenhum Comentário

Últimas notícias

  1. Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    Justiça

    (06:48) Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    O Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou no mês de dezembro pedido de liminar da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros, entidade conhecida como Fetramar, que buscava declarar inconstitucional lei de Cuiabá...

  2. Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    Economia

    (06:25) Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Fazenda (Sefaz), transferiu de janeiro a novembro de 2017 o valor de R$ 2,36 bilhões às prefeituras.

  3. Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Política

    (00:00) Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Em mais um episódio da briga entre os antigos membros do PSB e o novo presidente da legenda, deputado federal Valtenir Pereira, o gestor divulgou neste domingo dados de irregularidades da antiga administração do partido.

  4. Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    Política

    (00:00) Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    No entanto, ainda faltarão cerca de R$ 75 milhões para sanar o passivo referente a 2017

Copyright @ Gestão Pública News - 2009 - Todos Direitos Reservados