Gestão Pública News

Justiça

MPF compara Fabris a Lula e tenta barrar candidatura de deputado
13 de Setembro de 2018 ás 14:03 -

Deputado estadual foi considerado culpado por desvios e lavagem de dinheiro enquanto era presidente da Assembleia Legislativa e por isso seria considerado ficha suja.

MPF compara Fabris a Lula e tenta barrar candidatura de deputado

Do RepórterMT

O Ministério Público Eleitoral reiterou a impugnação da candidatura à reeleição do deputado estadual Gilmar Fabris (PSD). O parlamentar foi condenado pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso, em junho, por desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro no período em que foi presidente da Assembleia Legislativa.

A procuradora-regional eleitoral Cristina Nascimento de Melo citou o caso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que teve sua candidatura barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Limpa. Nos dois casos, o MP Eleitoral argumentou que o órgão colegiado responsável pelas condenações criminais dos candidatos deveria suspender os efeitos da condenação para que as candidaturas fossem válidas.

Fabris foi condenado a seis anos e oito meses de prisão por um caso de corrupção investigado na Operação Arca de Noé. O caso teria acontecido em 1996 e, pela demora no julgamento, a pena prescreveu. O Ministério Público argumenta que ele estaria inelegível pela Lei da Ficha Limpa a partir de 24 de julho deste ano, quando a sentença da condenação foi publicada.

“No caso concreto dos autos, a situação se agrava porque o Ministério Público Estadual, órgão de acusação, também opôs embargos de declaração com o objetivo precípuo de exasperar a pena imposta, daí que a tese de prescrição, sem adentrar em seu mérito, perde relevância jurídica, pois não cabe à Justiça Eleitoral realizar análise de probabilidade de êxito”, escreveu a procuradora-regional eleitoral.

 

No caso julgado pelo Tribunal de Justiça, Fabris foi condenado por ter assinado 22 cheques utilizados em um esquema que desviou R$ 1,5 milhão do Legislativo. Os cheques foram destinados à Madeireira Paranorte Parasul Ltda, constituída pelo ex-deputado José Geraldo Riva, que era vice-presidente da Assembleia à época, para lavar recursos desviados do Parlamento. No total, 123 cheques teriam sido utilizados no esquema.

 

No registro de candidatura junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o Ministério Público Eleitoral, além de pedir a impugnação, também pediu que o deputado fosse obrigado a entregar bens como garantia dos recursos do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral utilizados por durante a campanha. A medida serviria como garantia para que ele devolva os recursos no caso de a candidatura ser barrada definitivamente. Este pedido já foi aceito pelo TRE.

 

Nenhum Comentário

Últimas notícias

  1. Justiça extingue pena de advogado que escondeu processo criminal em MT

    Justiça

    (11:30) Justiça extingue pena de advogado que escondeu processo criminal em MT

    Folhamax O juiz Marcos Faleiros da Silva, da...

  2. Nelson Barbudo já se articula para ser líder da bancada

    Política

    (11:26) Nelson Barbudo já se articula para ser líder da bancada

    GazetaDigital Mesmo sem ainda ter tomado posse,...

  3. Apenas 27 deputados federais foram eleitos com votos próprios em 2018

    Política

    (11:23) Apenas 27 deputados federais foram eleitos com votos próprios em 2018

    PortalMatogrosso A quantidade de eleitos e reeleitos...

  4. Mendes define equipe nesta terça e prepara início dos trabalhos

    Política

    (11:21) Mendes define equipe nesta terça e prepara início dos trabalhos

    MidiaNews O governador eleito Mauro Mendes (DEM)...

Copyright @ Gestão Pública News - 2009 - Todos Direitos Reservados