Gestão Pública News

Justiça

Juíza nega afastar Emanuel por não ver obstáculos às investigações
15 de Maio de 2018 ás 14:33 -

Olharjurídico A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública, considerou que o prefeito de...

Juíza nega afastar Emanuel por não ver obstáculos às investigações

Olharjurídico

A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara de Ação Civil Pública, considerou que o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) não criou qualquer obstáculo à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que o investiga por quebra de decoro ao ser flagrado embolsando maços de dinheiro. A avaliação fundamentou a rejeição do pedido de afastamento feito pelo Ministério Público Estadual (MPE).

 

O MPE também fracassou no intento de afastar a chefe do Executivo de Juara, Luciane Bezerra. O motivo da magistrada foi confirmado pela defesa de Emanuel, patrocinada pelo advogado André Jacob.

 

Conforme os autos, o MPE não apresentou qualquer prova de que Emanuel Pinheiro esteja obstaculizando a produção de provas e influenciando na criação e condução das Comissões Parlamentares de Inquéritos.

 

A defesa do prefeito sustenta que as imagens nada têm a ver com o atual exercício de mandato de Pinheiro. Segundo a defesa, o pagamento registrado por Silval refere-se a dívida particular. Além disso, argumenta que o caso aconteceu muito antes de Emanuel tornar-se prefeito. Com a vitória parcial, a defesa do emedebista irá recorrer do bloqueio de bens.

A ação é baseada na delação do ex-governador Silval Barbosa que confessou esquema de pagamento de propina para deputados estaduais e entregou vídeos à Justiça em que parlamentares da legislatura passada aparecem recebendo dinheiro do então chefe de gabinete do governador, Silvio Cesar Correa. Emanuel e Luciane aparecem nas imagens.

Apesar de a denúncia não guardar relação direta com o atual exercício de mandato, o Ministério Público argumenta que o chefe do Poder Executivo “não reúne os requisitos morais necessários para continuar no exercício da função de prefeito do Município de Cuiabá, já que o cargo ocupado lhe permite acesso a uma posição em que poderia causar grandes danos à sociedade que representa”. O MP sustenta ainda que o cargo de prefeito permite a Emanuel acesso a uma série de entraves que poderiam vir a prejudicar a instrução processual e o desenvolvimento do processo judicial.

 

A delação

O MP já moveu 13 ações contra agentes políticos acusados de integrarem organização voltada para a prática de atos ilícitos consistentes na cobrança de propinas de empresários, fraudes em procedimentos licitatórios, extorsões e outras condutas voltadas para a captação irregular de recursos do Programa MT Integrado e de obras da Copa do Mundo de 2014. Ainda existem inquéritos em andamento e mais ações poderão ser propostas.

Consta das ações que os valores arrecadados eram utilizados para diversas finalidades, entre elas a garantia de apoio da Assembleia Legislativa para as propostas do ex-governador. “Tal organização era estruturada e organizada, sendo que cada um dos atores possuía papel definido e conhecimento parcial do esquema como um todo, pois a gerência ampla cabia ao então chefe do Poder Executivo Estadual, tudo voltado para a arrecadação dos valores ilícitos”, diz a ação.

 

O “acordo”, segundo o MPE, consistia no pagamento de vantagem ilícita no valor de R$ 600 mil, divididos em 12 parcelas mensais de R$ 50 mil cada. No caso da Luciane Bezerra, o valor foi de R$ 1 milhão.

 

O outro lado:

 

Em entrevista feita no início deste mês, Emanuel afirmou que respeita o MP, mas considerou o pedido de afastamento duro demais.“Tenho o maior respeito pelo Ministério Público de Mato Grosso, tenho o maior respeito por todos os promotores, procuradores, em especial pelo promotor Clovis. Às vezes os pedidos são muito duros, mas independente disso eu respeito e vai ser uma oportunidade, eu sempre disse que vou falar somente nos autos, de mostrar que não tenho nada ver com este mar de lama que querem me arrastar”, declarou.

Nenhum Comentário

Últimas notícias

  1. Justiça atende pedido do Estado e suspende julgamento sobre obras do VLT

    Justiça

    (14:14) Justiça atende pedido do Estado e suspende julgamento sobre obras do VLT

     Olhardireto A desembargadora Helena Maria...

  2. Justiça garante conservação de mais de 107 mil hectares em reserva extrativista em MT

    Justiça

    (14:10) Justiça garante conservação de mais de 107 mil hectares em reserva extrativista em MT

    Olharjrídico Decisão do juiz Rodrigo...

  3. TJ cita independência dos poderes e valida rito da AL para escolha de conselheiro

    Justiça

    (14:08) TJ cita independência dos poderes e valida rito da AL para escolha de conselheiro

    Folhamax O Tribunal de Justiça de Mato...

  4. Juiz manda site excluir matéria contra presidente da Unimed

    Justiça

    (14:03) Juiz manda site excluir matéria contra presidente da Unimed

    MidiaNews O site Página do Estado terá...

Copyright @ Gestão Pública News - 2009 - Todos Direitos Reservados