Gestão Pública News

Saúde

Ela teve câncer e não perdeu cabelo durante quimioterapia graças a nova técnica
05 de Fevereiro de 2016 ás 10:08 -

Dora usou aparelho que resfria couro cabeludo durante a quimioterapia, e isso garantiu que os fios de cabelo permanecessem no lugar

Ela teve câncer e não perdeu cabelo durante quimioterapia graças a nova técnica

DO IG SAÚDE

 

Em julho de 2015, Dora Violeta Roche foi ao médico para mais um daqueles exames de rotina. Um deles foi a mamografia, que revelou um câncer de mama. O nódulo de 3,5mm no seio direito fez com que seu dia a dia mudasse nos meses seguintes. A busca por um cirurgião veio e, quando decidiu operar, um mês depois, o nódulo já tinha dobrado de tamanho. A cirurgia foi um sucesso. As outras partes do corpo não tinham sido afetadas pelo câncer, mas, por precaução, os médicos decidiram que Dora passaria por sessões de quimioterapia. O tratamento é exterminador do câncer, mas também extermina os cabelos, parte que costuma ser importante para a autoestima feminina. Ela, no entanto, 30 minutos antes da infusão de quimioterapia, recebeu uma touca gelada e permaneceu com ela até quase uma hora depois da aplicação do medicamento. Nas 12 sessões do tratamento, Dora perdeu uma quantidade quase imperceptível de fios: a crioterapia protegeu o folículo do cabelo e impediu que ele caísse. Com isso, ela não precisou usar outros artifícios para cobrir a cabeça, como apliques ou lenços. “Achei que ia ficar careca, mas soube dessa técnica que não garantia 100% de permanência dos fios, mas de uma grande porcentagem”, conta ela. “Perdi uns 10% do cabelo nas lavagens, mas ninguém consegue saber que fiz quimioterapia”. Dora conta que, de zero a 10, o grau de incômodo da touca fria na cabeça é quatro. “Ficava cerca de duas horas com o capacete a cada sessão de quimioterapia, que foram 12”, diz ela. “Nos primeiros 10 minutos das primeiras aplicações, sentia um pouco de dor de cabeça, mas era suportável. Realmente vale a pena, não é uma tortura”, conta ela, referindo-se ao aparato gelado na cabeça. Porém, pelo fato de ter algo resfriando o couro cabeludo, o paciente pode sentir frio. “O problema é que você fica deitada em uma poltrona, quietinha. Eu levava agasalho e colocava duas meias de lã, além de dois cobertores. Estando bem agasalhada, não passava frio”. Entenda como funciona o 'Scalp Cooling' Ao lado de uma poltrona confortável, o tamanho da máquina não impressiona, tendo em vista o trabalho que faz. A aparência é de um circulador de ar comum, mas com um tubo que conduz até um capacete. O adereço é revestido por um gel resfriado a 4ºC, mas que causa uma sensação térmica de 12º a 15ºC. É esse dispositivo médico que consegue evitar a queda de cabelo durante o tratamento contra o câncer. “A máquina funciona com um resfriamento no couro cabeludo, que faz uma vasoconstrição, diminuindo o fluxo sanguíneo para a raiz do cabelo”, explica Mariana Laloni, oncologista e diretora clínica do Centro Paulista de Oncologia, em São Paulo. “É como se a gente ‘hibernasse’ o folículo quando o resfriamos. Ele fica menos suscetível à agressão dos quimioterápicos, já que o metabolismo fica menor”. Para que o cabelo não caia, explica Mariana, é preciso usar a touca até uma hora antes da infusão de quimioterapia, durante a administração do remédio e por um período depois que a pessoa já usou todo o medicamento. Isso impede que a droga atinja o folículo piloso e faça o cabelo cair. Quando a droga já foi metabolizada, o risco de queda de cabelo é praticamente inexistente. A garantia de preservação do cabelo depende de cada tipo de quimioterápico. Algumas drogas são mais fracas e, mesmo sem usar essa técnica, a pessoa ficaria apenas com os cabelos ralos. Com a touca gelada, é possível manter todo o cabelo. Já em casos de quimioterapia que provocam a queda de 100% dos cabelos, Mariana explica que, com o tratamento, o paciente pode perder cerca de 20% a 30% do cabelo. Mesmo assim, não será necessário usar peruca ou lenços. “A prevenção continua sendo eficaz, pois achamos importante o paciente manter a autoestima”, diz a oncologista. Contraindicações O tratamento é contraindicado para quem tem câncer hematológico, como linfomas e leucemia. Segundo a diretora clínica, pacientes claustrofóbicos também podem se sentir mal ao usar a máquina, já que a touca aperta um pouco a cabeça. Aqueles que têm algum tipo de alergia no couro cabeludo também não podem receber o tratamento. Fonte      http://saude.ig.com.br/minhasaude/2016-01-12/ela-teve-cancer-e-nao-perdeu-cabelo-durante-quimioterapia-gracas-a-nova-tecnica.html

Nenhum Comentário

Últimas notícias

  1. Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    Justiça

    (06:48) Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    O Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou no mês de dezembro pedido de liminar da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros, entidade conhecida como Fetramar, que buscava declarar inconstitucional lei de Cuiabá...

  2. Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    Economia

    (06:25) Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Fazenda (Sefaz), transferiu de janeiro a novembro de 2017 o valor de R$ 2,36 bilhões às prefeituras.

  3. Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Política

    (00:00) Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Em mais um episódio da briga entre os antigos membros do PSB e o novo presidente da legenda, deputado federal Valtenir Pereira, o gestor divulgou neste domingo dados de irregularidades da antiga administração do partido.

  4. Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    Política

    (00:00) Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    No entanto, ainda faltarão cerca de R$ 75 milhões para sanar o passivo referente a 2017

Copyright @ Gestão Pública News - 2009 - Todos Direitos Reservados