Gestão Pública News

Justiça

Desempregado perde ação contra empresa de MT e é condenado em R$ 750 mil
12 de Março de 2018 ás 13:51 -

DO OLHARJURÍDICO A 1ª Vara de Trabalho de Rondonópolis ganhou os holofotes da imprensa jurídica nacional nesta segunda-feira...

Desempregado perde ação contra empresa de MT e é condenado em R$ 750 mil

DO OLHARJURÍDICO

A 1ª Vara de Trabalho de Rondonópolis ganhou os holofotes da imprensa jurídica nacional nesta segunda-feira (12). A juíza do Trabalho Adenir Alves da Silva Carruesco deu perda de causa a um ex-funcionário de uma empresa (desempregado desde 2016) e determinou que ele pague R$ 750 mil por conta disto. A decisão foi proferida no dia 07 de fevereiro e ganhou destaque no jornal O Estado de São Paulo, por aplicar o que prevê um dos pontos mais questionados da reforma trabalhista.

 

Trata-se de ação movida em 2016 pelo vendedor Maurício Rother Cardoso, ex-funcionário da empresa processada, a concessionária de caminhões de Rondonópolis Mônaco Diesel. O trabalhador queixava-se de reduções salariais irregulares, descontos indevidos em comissões de venda, cancelamento de uma viagem para Roma, prometida como prêmio para os melhores funcionários, benefícios não pagos além de compensações por danos morais. Pediu, por tudo isto, cerca de R$ 15 milhões.

 

De todas as queixas, a empresa foi condenada apenas por conta da  citada viagem à cidade de Roma. Os demais quesitos foram rejeitados. A indenização exigida à empresa foi fixada em R$ 10 mil.

 

Parecia tudo bem para o ex-empregado autor da ação, não fosse o chamado "valor de sucumbência". Quantia em dinheiro repassada pela parte perdedora de um processo à parte vencedora, para que ela seja reembolsada dos gastos que teve com as custas processuais e a contratação do advogado defensor de seus interesses. A cobrança foi fixada em 5% do valor atribuído à causa, que deveria ser paga pelo autor da ação (que ganhou em um dos quesitos, mas perdeu nos demais, sendo portanto, considerado perdedor da ação). A porcentagem sobre cerca de R$ 15 milhões resultou na obrigação de pagar R$ 750 mil.

 

Esse é o calculo à ser feito, segundo a nova regra de sucumbência, prevista no artigo 791-A da reforma trabalhista, que passou a vigorar em novembro do ano passado. Segundo a lei, quem obtiver vitória parcial na Justiça do Trabalho deve pagar honorários de sucumbência relativos aos pedidos que foram negados. "Esse período (da aprovação da nova CLT até sua implementação) foi de intensas discussões, vários seminários, cursos e publicações de obras jurídicas. Portanto, houve tempo mais que suficientes para os litigantes, não sendo razoável alegar efeito surpresa", escreve a juíza.

 

Segundo o advogado do ex-empregado revelou ao Estado de São Paulo, ele está "desolado e muito preocupado com o futuro". O requerido afirma que não ter como pagar os R$ 750 mil e tem receio de que a repercussão negativa do caso tenha impactos na carreira profissional. "Ele está desempregado desde setembro de 2016, quando foi demitido da concessionária, e com problemas financeiros para as contas do dia a dia", diz o advogado.

 

"Ele entrou com processo antes da reforma trabalhista, que instituiu a regra da sucumbência na Justiça Trabalhista. E é nisso que vamos trabalhar para reverter a decisão da juíza", afirma o advogado, que à reportagem afirma ter esperança de derrubar a sentença contrária da Justiça Trabalhista em segunda instância. "Houve um erro em pedir tanto dinheiro. Esse era um processo de R$ 3 milhões, R$ 4 milhões. Mas R$ 15 milhões foi demais", resume.

Nenhum Comentário

Últimas notícias

  1. CNMP investiga promotora de MT por suposta ofensa a juíza e PM

    Justiça

    (13:20) CNMP investiga promotora de MT por suposta ofensa a juíza e PM

    Fatos ocorreram no Município de Gaúcha do Norte (594 km de Cuiabá) em 2 de outubro de 2016

  2. CGE abre processo contra consórcio da Arena Pantanal por pagar propina

    Justiça

    (13:18) CGE abre processo contra consórcio da Arena Pantanal por pagar propina

    O objetivo é investigar possíveis irregularidade no contrato de quase R$ 100 milhões firmado com o C.L.E. Arena Pantanal para serviços de de Tecnologia, Informática e Comunicação (TIC) no estádio.

  3. Delator que entregou esquema de conselheiro devolverá R$ 3 mi em 4 anos

    Justiça

    (13:12) Delator que entregou esquema de conselheiro devolverá R$ 3 mi em 4 anos

    Marcos Tolentino negociou a venda da TV Mato Grosso com conselheiro afastado do Tribunal de Contas e chegou a ser ameaçado se revelasse que o negócio foi feito com Sérgio Ricardo

  4. Três deputados lideram corrida para Assembleia; 127 são citados em MT

    Política

    (13:09) Três deputados lideram corrida para Assembleia; 127 são citados em MT

    Folhamax Uma pesquisa na modalidade espontânea,...

Copyright @ Gestão Pública News - 2009 - Todos Direitos Reservados