Gestão Pública News

Cultura

Criaturas geneticamente modificadas inspiram exposição em São Paulo
18 de Outubro de 2015 ás 22:52 -

Esculturas que misturam o realismo e o fantástico, com inspiração em pesquisas de biotecnologia e engenharia genética, estão na primeira exposição da artista Patricia Piccinini no Brasil, chamada ComCiência. As obras, que circulam entre o hiper e o surre

Criaturas geneticamente modificadas inspiram exposição em São Paulo

Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil

Esculturas que misturam o realismo e o fantástico, com inspiração em pesquisas de biotecnologia e engenharia genética, estão na primeira exposição da artista Patricia Piccinini no Brasil, chamada ComCiência. As obras, que circulam entre o hiper e o surrealismo, têm características humanas, escala de tamanho real e questionam os efeitos da ciência, além dos limites morais e éticos do homem no mundo contemporâneo.

Realidade e fantasia ajudam a artista a refletir também sobre o conceito de beleza e normalidade. Em “O visitante bem-vindo”, uma criatura estranha, com traços de primatas, está diante de uma menina, em cima da cama. Ela sorri encantada, sem nenhum medo ou estranhamento. Para uma criança, a percepção do que é considerado belo pode ser muito abrangente, incluindo o ser mutante que está diante dela. “Trata-se de uma obra sobre a aceitação”, diz o curador Marcello Dantas.

Na cabeceira da mesma cama, está um pavão, que, segundo a artista, tem a beleza como vantagem seletiva. Piccinini escreve: “Minhas criaturas, apesar de estranhas e por vezes inquietantes, não são assustadoras. Em vez disso, é a sua vulnerabilidade que muitas vezes vem à tona. Elas pedem que olhemos além de sua estranheza, nos convidando a aceitá-las”.

A intenção da artista foi contemplada. “O carisma e o afeto com os seres humanos, essa conexão com um ser que, para nós, parece tão estranho e tão feio, nos remete também ao belo. Esse afeto transcende a feiura, é muito belo”, disse Paloma Costa, 38 anos, ao visitar a exposição. “Isso me faz refletir, não é uma coisa assim tão utópica chegar ao futuro e os cientistas começarem a perceber essa mistura entre ser humano e outros animais para criar habilidades. Me abriu a mente”, acrescentou.

Em outro momento da mostra, uma criança sustenta seu corpo com apenas um dos braços, é um garoto aparentemente forte. Mais de perto, o menino não parece completamente humano, seus dedos dos pés são grudados, como uma nadadeira, e seu rosto lembra uma foca. Piccinini traz ao público a questão das mutações em laboratório, questionando se seriam seres superiores ou ainda super-heróis, uma resposta que ainda não temos. “Te faz pensar que, de repente, o teu filho pode ter genes de um morcego, que pode ver no escuro e pode ter habilidades daquele animal”, disse Paloma.

As mutações genéticas, que permeiam o trabalho da artista, podem ser vistas ainda nas obras chamadas “Metaflora”, em que flores são compostas de pele semelhante à humana, cabelo, línguas e garras, refletindo sobre o cultivo de alimentos geneticamente modificados. Segundo a artista, as pessoas são cercadas por modificações genéticas escondidas nos alimentos e animais, sem ao menos se dar conta disso.

Há também uma flor gigante que põe ovos, demonstrando uma junção de características animais e vegetais, com textura de pele humana. Essa espécie está no meio de um jardim com flores brancas em forma de ovário, o que reflete um desejo de reprodução e, por consequência, de sobrevivência.

Há quem faça relação entre as obras de Patricia Piccinini e Ron Mueck, que expôs na Pinacoteca de São Paulo, e que impressionaram pelo realismo dos personagens e pelo perfeccionismo do artista. Assim como Patricia, ele usou materiais como fibra de vidro, fios de cabelo e silicone para reproduzir cada detalhe do corpo humano.

Cíntia Carvalho, 24, visitou ambas exposições e gosta da semelhança das esculturas com os seres humanos. Ela destacou a forma como os dois artistas escolhem materiais que transformam as obras em algo mais humano e mais próximo do real. “Parece que são pessoas mesmo, seres humanos, parece que são feitos de carne e osso. Qualquer pessoa que foi à exposição do Ron Mueck pode fazer o mesmo comparativo”, disse.

A exposição ComCiência Expo ComCiência fica até 4 de janeiro, no Centro Cultural Banco do Brasil. A entrada é franca.

Edição: Carolina Pimentel

Nenhum Comentário

Últimas notícias

  1. Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    Justiça

    (06:48) Tribunal mantém multas para ônibus de transporte público com problemas técnicos

    O Tribunal de Justiça de Mato Grosso negou no mês de dezembro pedido de liminar da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros, entidade conhecida como Fetramar, que buscava declarar inconstitucional lei de Cuiabá...

  2. Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    Economia

    (06:25) Estado transfere R$ 2,3 bilhões aos municípios em 2017

    O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Fazenda (Sefaz), transferiu de janeiro a novembro de 2017 o valor de R$ 2,36 bilhões às prefeituras.

  3. Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Política

    (00:00) Valtenir aponta irregularidades e cobra deputados

    Em mais um episódio da briga entre os antigos membros do PSB e o novo presidente da legenda, deputado federal Valtenir Pereira, o gestor divulgou neste domingo dados de irregularidades da antiga administração do partido.

  4. Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    Política

    (00:00) Governo pagará R$ 50 mi em emendas impositivas de deputados

    No entanto, ainda faltarão cerca de R$ 75 milhões para sanar o passivo referente a 2017

Copyright @ Gestão Pública News - 2009 - Todos Direitos Reservados